Ciclo da vida e longevidade: efeito da alimentação sobre o cérebro

Ciclo da vida e longevidade: efeito da alimentação sobre o cérebro

Uma alimentação saudável (sobretudo rica em compostos bioativos) é importante para um envelhecimento cerebral saudável, que inclui a preservação da função cognitiva, retardo da progressão do envelhecimento e redução da incidência de doenças neurodegenerativas. Os compostos bioativos com maior ação na cognição são os flavonoides (como antocianinas e flavanois) e os estilbenos (resveratrol). Com relação aos demais nutrientes, estudos observacionais indicam que as gorduras poli-insaturadas ômega 3, folato, zinco e as vitaminas A, C, D e E desempenham diversos efeitos benéficos na atenuação dos danos envolvidos com o envelhecimento cerebral. Por este motivo, diversas evidências apontam para o benefício da ingestão de frutos pequenos, como a amora, acerola, pitanga, jambolão, jabuticaba e açaí, para melhora da memória e manutenção do estado cognitivo.

Além desses, sabe-se que existem outros fatores cruciais para um envelhecimento saudável do cérebro, como a prática regular de atividade física, redução de gatilhos estressores e a estimulação intelectual e social. Quer saber mais sobre os efeitos da alimentação no cérebro e longevidade? Esse será o tema da palestra “Ciclo de vida e longevidade: Efeito potencial da alimentação para o cérebro” apresentada pela nutricionista Luana Manosso @luanamanosso no XV Congresso Internacional de Nutrição Funcional, que acontecerá nos dias 12, 13 e 14 de setembro no Centro de Convenções Frei Caneca, em São Paulo! Garanta já a sua vaga!

Referências bibliográficas:

  1. ZOMROZIEWICZ, M.K.; BARBEY, A.K. Nutritional cognitive neuroscience: Innovations for healthy brain aging. Front Neurosci; 10: 240, 2016.
  2. SANTOS, C.N.; COSTA, I.S.; FERREIRA, R.B.; et al. Metabolitos de frutas vermelhas para um envelhecimento saudável do cérebro. RBCEH; 12(3): 268-287, 2015.
  3. GOW, A.J.; BIELAK, A.A.; GERSTORF, D. Lifestyle factors and cognitive ageing: variation across ability and lifestyle domains. J Aging Res; 2012: 143595, 2012.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *